Em breve, outras surpresas da Zuêra. close ×
+

Fundada no Rio de janeiro em maio de 2000, a Zuêra é uma produtora de áudio especializada em publicidade, shows e filmes.

Na publicidade, temos o orgulho de ter trabalhado com as maiores agências de propaganda do país, com vários trabalhos premiados.

Nossa vocação para produção de trilhas sonoras e sonorização de comerciais, jingles e spots de rádio é reconhecida em todo o mercado carioca.

Desde 2007 gravamos e mixamos shows ao vivo, para artístas como Zéu Britto, Danilo Caymi, Verônica Sabino, Toni Platão (eleito o melhor DVD de 2009), e recentemente o DVD Infernynho, de Marilia Bessy e Nei Matogrosso.

Com os recursos para mixagem de shows, passamos a mixar filmes em estéreo e 5.1, abrindo mais uma opção para nossos clientes. Desde então já mixamos os curtas The Meeting do Roberto Jabor, SOMP de Tiago teixeira, Aurélia do Augusto Garcia (premiado no Festival de Genebra) e o longa A Dança de Feliciano do Moacyr Góes.

Nossa estrutura é composta de 05 ilhas de edição Pro Tools, sendo a principal em HD. Estúdio com microfones Neumman, Senhhereizer, Shure e AKG.

Nossa equipe

Marcio Abelha
Marcio Padilha | Direção de Produção

Formado em técnico de eletrônica, descobriu seu amor pelo áudio em 1985, quando começou como assistente técnico na extinta Top Tape. Em 1987 começou na produção publicitária na DC Vox, onde conheceu o mundo da publicidade. Foi um dos pioneiros no uso da tecnologia Pro Tools em publicidade no Rio de janeiro. Em 2000, fundou a Zuêra. Produtor de vários trabalhos premiados, foi eleito destaque profissional de produção de áudio da ABP em 2004.


Marcus Abelha
Marcus Padilha

Cria da casa, começou como estagiário em 2005 e desde então vem se destacando como excelente técnico de gravação e montagem de spots. Opera Pro Tools e diversos sistemas necessários ao bom funcionamento da Zuêra.


Tuca Alves
TUCA ALVES

Teve seu primeiro contato com a música aos oito anos de idade começando, junto com seu pai, o estudo do cavaquinho. Logo após passou ao violão como autodidata onde se encantou pelo som do instrumento e não parou mais. Estudou mais tarde com vários mestres da música brasileira desenvolvendo, ao longo do tempo, sua técnica e musicalidade. Com Alberto Echeverria, teve aulas de violão clássico onde aprendeu e desenvolveu técnica específica desse instrumento. Após alguns anos, teve seu primeiro contato com a guitarra e direcionou seus estudos para esse instrumento fazendo-o com Felipe Poli. Sua evolução no instrumento fez com que, naturalmente, no ano de 1990, se matriculasse no Curso Livre Musical MUSIARTE onde fez os cursos de guitarra, harmonia funcional e percepção musical com Oren Perlin e Mariza Gandelman. Aí começou a ter seus primeiros contatos com o ambiente profissional. Em 1994, com uma bagagem teórica, sentiu necessidade de aperfeiçoar a prática em algumas áreas de seu estudo. Então complementou seus estudos no CIGAM (Curso Ian Guest de Aperfeiçoamento Musical) estudando harmonia funcional e percepção musical.
Ainda em 1994, quando ingressou na Escola de Engenharia da UFRJ, começou a trabalhar na noite carioca fazendo parte da banda de baile mais conceituada da época – Banda Brasil Show. Tocou no Brasil inteiro e teve oportunidade de colocar na prática do instrumento tudo que estudou até então. Vendo as novas necessidades da vida profissional, foi aprofundar seus conhecimentos e discutir conceitos práticos como técnicas de gravação com grandes professores como: Nelson Faria, Eduardo Caribé e João Castilho. Daí pra frente foi construindo sua carreira e expandindo seu horizonte. Uma característica começava a chamar a atenção em seus trabalhos que era sua versatilidade em tocar violão de nylon de seis e sete cordas, violão de aço, guitarra, cavaquinho e fazer vocais em vários estilos musicais e com a característica essencial de cada um, fazendo, com isso, que ficasse com sua real sonoridade e “sotaque”.
Em 1995, essa característica o ajudou e o inseriu no mercado de gravações de jingles. Começou a gravar então com o produtor Léo Saramago onde gravou jingles de campanhas importantes como: Coca-Cola, Shell, Governo do Estado do Rio de Janeiro, Garnier, Casa e Vídeo etc.
Desenvolveu um trabalho próprio autoral iniciado nos anos 90, sendo um dos integrantes da conceituada banda de black music chamada Funk U. Com mais de dez anos de carreira, fez vários admiradores ao longo desse tempo como Nelson Motta, DJ Corelo, Sandra de Sá e o precursor Cassiano. Funk U lançou seu primeiro disco em 2004, com duas músicas inéditas do Cassiano e a música “A Vez” que fez parte da trilha sonora do filme “Simão, o Fantasma Trapalhão”, de Renato Aragão. Divulgou esse trabalho nos principais programas de TV, como Programa do Jô e várias rádios tocaram sua música, tendo execução especial na região sul do país. Gravaram um clipe histórico da música “A Festa” com a presença de Gerson King Combo, Hyldon, Neuza Amaral, Carlos Dafé e Cassiano gerando, com isso, um reencontro desses nomes, o que não acontecia desde os anos setenta. Abriram dois shows da banda cubana “Orishas” no Citibank Hall do Rio de Janeiro e em São Paulo. Esse trabalho possibilitou viajar por todo território nacional fazendo shows.
Em 2000, seu trabalho começou a ter maior visibilidade ao ingressar na banda da cantora Joanna onde precisava de um músico com suas características. Em suas apresentações, levou aos palcos então os violões de nylon e aço, guitarra e cavaquinho além de cantar, fazendo vocais e duetos, com Joanna. Ainda com ela, gravou a música “A Padroeira” que fez parte da trilha sonora da novela da TV Globo com o mesmo nome.
Em outubro de 2002 gravou o DVD “Joanna em Oração” pela Sony Music, sendo esse um momento especial de sua carreira, pois foi gravado na área externa da Basílica de Nossa Senhora Aparecida – em Aparecida – no dia doze – dia que se comemora o Dia da Padroeira – portanto com a presença de mais de vinte mil pessoas.
Devido ao seu talento e com a ascensão de sua carreira, passou a gravar e não parou mais com outros grandes produtores como: Léo Guimarães, Rildo Hora, Chico Chagas, Hiroshi Mizutani, João Marcos Guimarães, Leão Leibovich, Leandro Sapucahy, Raul Silva, Lincoln de Lima entre outros.
Com seu conhecimento e o desenvolvimento de uma organização admirável, começou a fazer direção musical de vários artistas. Manu Santos, Leandro Sapucahy, Telma Tavares, Juju Gomes, Flávio Rocca foram uns que tiveram Tuca Alves como diretor musical. Dirigiu ainda, em 2004, além de fazer todos os arranjos, um evento beneficente onde cantaram Joanna, Elba Ramalho e Jerry Adriani.
Concomitante a isso, foi ganhando experiência e acompanhando cada vez mais artistas do cenário nacional de vários estilos como: Joanna, Telma Tavares, Flávio Rocca,
Léo Saramago (esses já citados), Kiko Furtado, Kildere, Eliana Printes, Márcio Montarroyos, Rodrigo Almeida, Ritchie, Adelmo Casé, Batacotô, Rita Ribeiro, Sandra de Sá, Sublimes, Maurício Manieri, Martinália, Beth Carvalho, Alcione, Luiz Melodia, Tânia Alves, Léo Maia, entre outros. Também produziu alguns discos como o de Flávio Rocca, os católicos do Grupo Renascer e Jurandyr Mello , o evangélico de Fernando Barros e o EP do Grupo Art de Ser. Além de fazer arranjos em outras produções.
Em 2006, entrou para a banda de Leandro Sapucahy, grande produtor fonográfico da área de samba, o que acarretou sua entrada nessa nova área de atuação.
Em 2007, teve a honra de ser convidado e passou a integrar a banda de Maria Rita – novamente tocando violões de nylon de seis e sete cordas e violão de aço – ao lado de conceituados músicos como Camilo Mariano, Márcio Hulk, Sylvinho Mazzucca, Nene Brown, Miudinho e o maestro Jota Moraes. Trabalho esse que o permitiu levar sua música para todo o Brasil e exterior.
Em 2012 foi chamado pra excursionar com a turnê “Não Tente Compreender”, da cantora Mart’nália.
Em 2014 participou como banda de base do programa “Música Boa ao Vivo”, do Multishow, apresentado pelo Thiaguinho, em alguns programas.
Anos após o término da Funk U, Tuca Alves junto com Dudu Dias, Capitão e Digão (esse também ex baterista da Funk U) formaram a banda Quadra, gravaram um ep com cinco músicas, onde também é compositor das canções.
Integrou por três anos – de 2013 à 2016 – a banda de base do programa Esquenta, da TV Globo.
Forma junto com Manu Santos, o Duo Manu Santos & Tuca Alves, com o show “Deu Vontade”.
Desde 2018 é integrante da banda da Rede Globo que participa dos programas The Voice, The Voice Kids e Super Star.

DISCOGRAFIA
• Flávio Rocca
• Léo Saramago
• Daniel Azulay
• Joanna
• Padre Humberto Negreiros
• Faggioni
• Gustavo Acioly
• Lully Andrade
• Banda Sunggae
• Janaína Reis
• Kiko Furtado
• Fran
• Kelen Mendes
• Ceiça Farias
• Janaína Reis
• Fernando Barros
• Grupo Renascer
• Arthur Espíndola
• João e Tiago
• O Baile – com Banda Signus
• Leandro Sapucahy
• Netinho di Paula
• Gustavo Lins
• Funk U
• Dhi Ribeiro
• Manu Santos
• Damaris Morais
• Grupo Bom Gosto
• Imaginasamba
• Augusto e Ariel
• Diney
• Imaginasamba
• Swing & Simpatia
• Alcione

DVD
• Joanna em Oração
• O Baile – com Banda Signus
• Maria Rita – Samba Meu
• Leandro Sapucahy – Favela Brasil 2
• Leandro Sapucahy – Sapuca 10 Anos
• Chão de Estrelas – Ferrugem